18 de janeiro de 2013

Especialistas mostram pessimismo sobre meta para energia renovável

Em cúpula, proposta para dobrar renováveis no mundo foi apresentada.

Secretária para o Clima da ONU aponta que transição ocorre lentamente.


As energias renováveis chegaram a 16% do consumo energético total na última década, mas muitos especialistas duvidam que se alcance a meta de duplicá-las em 2030.
Durante a cúpula mundial sobre energias do futuro, que acontece nesta semana em Abu Dhabi, a secretária-executiva da Organização das Nações Unidas para mudança do clima, Christiana Figueres, disse que a transição para energias de baixa emissão de carbono já começou. "Mas esta mudança não tem ocorrido nem na escala, nem na velocidade desejadas", afirmou.
A porta-voz da ONU comentou o assunto após anúncio da Agência Internacional para as Energias Renováveis (Irena) de um plano destinado a duplicar a proporção das energias limpas na produção total. "É uma meta ambiciosa", admitiu Adnan Amin, secretário-geral do órgão.
Ele considerou possível que não se consiga aumentar a proporção de energias renováveis dos atuais 16% para 30% se os esforços não forem redobrados.
Especialistas se dividem sobre futuro de matrizes limpas
Relatório divulgado nesta semana mostra que 170especialistas entrevistados se divergem sobre o futuro global das renováveis. Alguns, considerados pessimistas, calculam que a contribuição não chegará a 20% do consumo em 2050. Os moderados falam de 30% a 45%, enquanto os otimistas chegam a prever que as energias limpas responderão entre 50% e 90% do consumo.
Atualmente, as energias renováveis chegaram a 18% do consumo energético total na última década, mas muitos especialistas duvidam que seja alcançada a meta de duplicá-las em 2030. As energias fósseis - petróleo, gás e carvão - representam 80% e a energia nuclear, de 2% a 3%, segundo o mesmo informe.

Em pelo menos 30 países renováveis representam 20% do consumo e 120 nações têm objetivos diferentes para sua introdução e desenvolvimento. Fatih Birol, economista chefe da Agência Internacional de Energia (AIE) lembra que o preço médio do barril de petróleo foi de US$ 112 em 2012, um recorde, antes de lembrar que os subsídios às energias fósseis são "o inimigo público número um da luta contra as mudanças climáticas".
À esquerda, exemplos de turbinas de energia eólica que funcionam em regiões da Alemanha; à direita, casas sustentáveis que são abastecidas com luz solar em bairro de Freiburg (Foto: Eduardo Carvalho/Globo Natureza)À esquerda, exemplos de turbinas de energia eólica que funcionam em regiões da Alemanha; à direita, casas sustentáveis que são abastecidas com luz solar na Europa (Foto: Eduardo Carvalho/Globo Natureza)
Subsídios são vilões da energia limpa
Esses subsídios atingiram os US$ 523 bilhões em 2011, 30% a mais do que em 2010, disse Birol, lembrando que o dinheiro gasto em energias fósseis não faz mais que aumentar o consumo. "Precisamos urgentemente das energias renováveis, mas, a menos que haja um marco que torne os investimentos rentáveis, não alcançaremos o nosso objetivo", destacou.
Os investimentos mundiais em energias limpas caíram 11% em 2012, arrastados por fortes quedas em grandes mercados como Estados Unidos, Índia e Europa, embora a retração tenha sido menor do que se esperava, segundo um informe publicado nesta semana.
No ano passado, foram investidos US$ 268,7 bilhões em projetos de energias limpas, contra US$ 302,3 bilhões em 2011, de acordo com estudo feito pelo escritório Bloomberg New Energy Finance (BNEF).

FONTE: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário